skip to Main Content
CONSTITUÍDA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS E EX-PROFESSORES DA ESCOLA AGRÍCOLA DE PINHEIRO MARCADO

CONSTITUÍDA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS E EX-PROFESSORES DA ESCOLA AGRÍCOLA DE PINHEIRO MARCADO

Por iniciativa do Técnico Agrícola Jorge Luiz Cardozo, ex-alunos da Escola Agrícola Labiêno Só Jobim de Pinheiro Marcado, reuniram-se no dia 11 de janeiro de 2014, nas dependências da EEPROCAR – Escola Estadual de Ensino Profissionalizante de Carazinho (TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA) oportunidade que confraternizaram e saborearam um lauto almoço patrocinado por Luiz Carlos Reisdorfer e Hugo Mariani Filho. Depois foi disponibilizada a palavra para que cada um dos presentes se manifestasse. Todos, sem exceção lembraram com nostalgia, do tempo que passaram na Escola Agrícola de Pinheiro Marcado e dos princípios educacionais passados pelos mestres daquele educandário, depois transferido para as instalações da atual EEPROCAR. Segundo os depoimentos, esses princípios serviram de base moral, intelectual e técnica para o sucesso profissional de cada um, sempre pugnando por uma moderna agropecuária, transferida aos produtores rurais com responsabilidade, sem descuidar da preservação do meio ambiente.

Ainda conforme os ex-alunos, todos os ex-colegas conhecidos que passaram pela Instituição hoje são profissionais bem sucedidos. A Escola Agrícola prepara os jovens, não só profissionalmente, mas também para a vida, isto é, molda bons cidadãos e, está provado, cria oportunidades para aqueles das classes menos abastadas, depois de formados, poderem ingressar num curso superior. Ocorre que o curso profissionalizante garante um bom emprego, com remuneração razoável, assim facilita a opção do jovem evoluir tanto nos estudos como no mercado de trabalho.Entendem ainda os ex-alunos e ex-professores que diante das inovações e das transformações ocorridas na sociedade, há certas exigências de modernização dos educandários agropecuários, tanto nos aspectos de infraestrutura, bem como, na forma de transferir conhecimentos. Para tanto, opinaram para que os governantes deem maior atenção às Escolas Agrícolas, investindo mais recursos e aperfeiçoando mais o corpo docente. Acreditam que com uma melhor qualificação dos profissionais haverá reflexos positivos no campo, pois afinal precisamos de mais alimentos. Todos foram unânimes em dizer que hoje não se discute mais a importância destas instituições de ensino profissionalizante da agropecuária, pois as mesmas já demonstraram no decorrer do tempo ser um diferencial consolidando, bem como, reconhecido nacionalmente.

Na oportunidade também estiveram presentes e se manifestaram os ex-professores José Manoel Garcia, Délcia Martins e Plinio Pacheco Pinheiro. Plinio comentou sobre o trabalho de consultoria e de assistência técnica que vem realizando na Bolívia, no Paraguai e no Uruguai, onde já implantou inúmeras Escolas Agrícolas com o apoio governamental daqueles países. Também foram destaques no encontro as manifestações de Valdir Koch, natural do Passo da Felipa, imediações de Pinheiro Marcado, hoje Técnico em Agropecuária ocupando o cargo de Gerente Regional da EMATER/Pr. Hugo Mariani Filho falou sobre a carência de mão-de-obra qualificada nas atividades práticas da agropecuária, bem como, na ausência de conhecimentos da maioria das pessoas sobre como se processa, desde o plantio até a colheita da produção de alimentos. Disse que é preciso desmistificar a ideia de que o trabalho no campo, nos tempos atuais, é um serviço que não dignifica àqueles que têm acesso às faculdades e até mesmo aos próprios Técnicos Agrícolas.

O que se percebe é que no Brasil se criaram determinados rótulos discriminatórios para quem estuda e a maioria entende que não devem trabalhar nas atividades de campo, pois se o fizerem se sentirão diminuídos. Hugo entende que esta mentalidade precisa mudar com urgência, pois com a evolução da agropecuária e dos maquinários agrícolas na atualidade trabalhar e até morar no campo é certeza de boa qualidade de vida e boa remuneração. Hugo acredita que o agronegócio como um todo é um mercado muito promissor e sem sombra de dúvidas está se ampliando a cada dia devido à alta tecnologia e a complexidade da cadeia produtiva, que busca agregar valores nas propriedades numa simbiose de porteira para dentro e para fora necessitando de profissionais com cursos técnicos que venham suprir tal demanda. Ele observou que vê o futuro próximo das propriedades rurais com dois caminhos – um como empresa rural e outro como empresa familiar rural, direcionado como nos países que já passaram por esta transição. Portanto, no entendimento de Hugo Mariani Filho as Escolas Agrícolas mais do que nunca tem um papel de extrema importância e a nossa sociedade precisa valorizar a sua continuidade. Enfatizou que é momento que devemos começar a falar numa politica governamental de reestruturação das mesmas. Depois das manifestações os ex-alunos e os ex-professores presentes resolveram criar uma associação, cujos objetivos são:

a) Promover encontros de integração entre ex-alunos, ex-professores e ex-funcionários, bem como, entre atuais alunos, professores e funcionários, familiares e amigos da Escola;

b) Divulgar e defender a Escola junto à sociedade.

A diretoria dos ex-alunos e ex-professores ficou assim constituída:

Presidente: Jorge Luiz Cardozo
Vice-presidente: Hugo Mariani Filho
Secretário: Paulo R. Bittencourt da Silva
Tesoureiro: Plinio Pacheco Pinheiro

CONSELHEIROS:
Alencar Wentz
Manoel José Garcia
José Adair Portela de Oliveira
Luiz Carlos Reisdorfer
Vilson Paulo Koch
Odemar Nodari

Consultor Jurídico: Adari Francisco Ecker